Sexta, 09 de Junho de 2023
14°C 28°C
Três Lagoas, MS

Doenças inflamatórias intestinais atingem mais de 10 milhões de pessoas no mundo

Dia 19 de maio é lembrado como o Dia Mundial da Doença Inflamatória Intestinal que tem como objetivo esclarecer e conscientizar sobre o problema

19/05/2023 às 07h00
Por: Redação Fonte: Metropolitana MS
Compartilhe:
Foto: Imagem Ilustrativa
Foto: Imagem Ilustrativa

No Brasil, cerca de 10 milhões de pessoas sofrem com Doença Inflamatória Intestinal (DII), termo genérico usado para a condição inflamatória crônica do trato gastrointestinal que afeta o intestino grosso (cólon). Em alusão ao Dia Mundial da Doença Inflamatória Intestinal, no dia 19 de maio, especialistas fazem alerta para a importância do tratamento e prevenção.

A DII tem tratamento, mas não há uma cura definitiva, o que é aconselhável acompanhamento médico para um diagnóstico precoce. As duas formas mais comuns da condição são a doença de Crohn, uma síndrome que afeta todas as camadas da parede intestinal, e a retocolite ulcerativa, que compromete o intestino grosso.

A Crohn por causar dores abdominais, diarreia, perda de peso e enfraquecimento por causa da dificuldade para absorver nutrientes. Já a colite ulcerativa atinge, principalmente, o intestino grosso (cólon) e pode causar dor abdominal e diarreia aliada a sangue nas fezes. Suas formas variam de leve a grave, onde o paciente corre o maior risco de desenvolver câncer de cólon.

Devido a semelhança quanto aos sintomas, os sinais podem ser confundidos com os de outras doenças, dificultando o diagnóstico certo. Geralmente, os sintomas são os que citei logo acima. Por isso, é importante que o paciente busque ajuda médica para a realização de investigação através de exames.

 

Faixa etária 

Pessoas entre 15 e 40 anos são as mais afetadas pelas DII, com causas ainda desconhecidas. Estima-se que o modo de vida das pessoas, com alto consumo de alimentos industrializados e o sedentarismo, possa ser uma das motivações da incidência da DII em pacientes mais jovens.

Especialistas ainda ressaltam a importância de ter hábitos saudáveis e fazer acompanhamento médico regular para evitar a doença, que tem como tratamento medicamentos, dieta, suplementos nutricionais e, em casos mais graves, cirurgia. 

Além do tratamento, é necessário reforçar o alerta sobre as ações de prevenção, como a adoção de uma rotina de exercícios físicos, evitar tabagismo e a ingestão de bebidas alcoólicas. Uma dieta com baixo teor de gordura, açúcares e rica em fibras também é fundamental. No entanto, alguns vegetais precisam ser evitados, pois acabam estimulando a produção de gases, como repolho, couve-flor, batata doce, feijão, entre outros. Esses alimentos podem piorar a distensão abdominal.

 

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários